terça-feira, 29 de abril de 2014

Le Palmier (restaurante em São José dos Campos).

Minha família mora toda no Vale do Paraíba. Cresci na Avenida Heitor Villa Lobos, onde fica o Le Palmier, na Vila Ema de São José dos Campos. E meus pais ainda moram na mesma casa, desde 1990.

Bom, quem é da cidade (SJC para os íntimos) sabe que não estamos num pólo de gastronomia e que as opções de restaurante por lá são bem difíceis quando falamos em "restaurantes finos". Ou talvez eu que esteja desatualizada. Pesquisando um pouco mais, descobri que há restaurantes como o Le Quintal VIP, Bistro Emporio Vitoria, A Fonte Bistro ou Il Vicoletto, que ainda não conheço. Se souberem de mais algum para adicionar à minha lista, avisem!

Voltando ao Le Palmier, sei que sempre passava na frente e sequer reparava que estava aberto, pois se trata de um centro comercial que acho que ainda não abriu. Mas vi a placa do restaurante e uma indicativa para entrar pela garagem. E fui com meu marido e bebê.

Fato é que me surpreendi com o lugar, por ser um restaurante clean em SJC, as janelas de vidro que imprimiam a claridade no recinto, etc. Não esperava tanto.

Ao subir, descobri que no almoço apenas há a possibilidade de menu executivo (com cardápio total composto de umas 4 entradas + 6 pratos principais, à escolha, por R$ 49,90). E entendo, pois deve ser difícil manter todos os pratos de uma cardápio no almoço, menos movimentado.

Escolhi uma entradinha de carpaccio, que estava realmente ótima, com mostarda Dijon de excelente qualidade.


De prato principal, escolhi um risoto de aspargos com queijo chevre. E meu marido a massa com frutos do mar.




Infelizmente, não sei se por azar ou por falta de organização interna, perderam nossa comanda. Nossa entrada já havia demorado 40 minutos, mas achei que tivesse demorado tanto para que o principal ficasse pronto e fosse servido logo depois. Pois não foi assim. O principal chegou só depois de mais de uma hora da entrada. E só porque me manifestei, pedindo agilidade. Foi quando viram o que tinha acontecido.

Chamei a gerência, Srta. Grace (ou Greice), que chegou na mesa pedindo desculpas, falando que os sócios estavam lá e era bom para verem que estava faltando gente para atender, que faltava mão de obra, que na cozinha só tinha ido no dia um chefe e um ajudante... Que à noite era bem melhor... Etc. Nesse ponto tive a certeza de que era desorganização interna.

Sabe qual o chato? Se é prato executivo, são poucos pratos e não é difícil de fazer. E não é culpa do cliente pela organização do restaurante. É culpa da administração. O pior é que nem um mimo após ficar mais de 2 horas para almoçar, como uma sobremesa ou qualquer coisinha que fosse para "tentar minimizar" o estrago foi oferecida.

Mas o que salvou é que a comida estava excelente. Meu marido amou e disse que foi uma das melhores massas com frutos do mar que já comeu.

Enfim: comida maravilhosa com atendimento deficitário e despreparado. Ao menos no almoço de final de semana.


Nenhum comentário:

Postar um comentário