domingo, 3 de novembro de 2013

Restaurantes - Tempranillo e Windhuk.

O Tempranillo é um restaurante com influências européias das cozinhas portuguesa, espanhola e italiana. Fica na Rua Jacques Felix, 381, na Vila Nova Conceição (no lugar do antigo Cosí, que eu a-ma-va).

A decoração do lugar é muito peculiar: paredes de tijolinhos aparentes com pinturas grafitadas e cadeiras multicoloridas aparentando antiguidade. Peço desculpas pois esqueci das fotos do ambiente!!! Mas há fotos no site da VejaSP com um link na mesma matéria sobre o fechamento do Cosí.

Não chegamos aos pratos principais, já que optamos por provar algumas das "tapas, bocados e antipasti" - comemos as punhetas de bacalhau (bacalhau cozido desfiado), o pulpo a la feria (polvo fatiado com páprica e flor de sal), eu a vieira ao forno (unidade servida na concha retratada na foto abaixo) e meu marido o caldinho de vôngole. Tudo muito gostoso, mas excepcionalmente maravilhosa estava a vieira.

De sobremesa, comi um bolo com sorvete de pistache e meu marido uma siricaia do alentejo (doce português). O bolo (tipo brownie) estava deslumbrante, já a siricaia, saborosa, mas nada de mais.



Já hoje acordamos com uma vontade de mudança de ares, de tipo de comida e de adquirir muitas calorias… (risos). Passamos na frente do Windhuk em Moema, na Alameda dos Arapanés, 1.400, e resolvemos entrar na casinha charmosa, simples assim. Ah, e que surpresa. E que graça!!!

Também não tirei foto do ambiente, mas há o site do restaurante aqui. Todo trabalhado em madeira esculpida, mesas com toalhas em xadrez. E, pasmem, quase 65 anos de existência.

Bom, quem me conhece sabe como tenho uma queda por lugares nostálgicos - apesar da pouca idade, cheguei a frequentar o Riviera na Consolação com a Avenida Paulista, com os proprietários guardados pelos cães de estimação servindo seus pastéis. ADORO o Sujinho na Consolação, mesmo com seus garçons "antigos" e mau humorados… Ou o Gato Que Ri no Arouche, com suas massas espetaculares. O Bar Brahma e a sua feijoada aos sábados.

Então, gostar do Windhuk era mesmo inevitável: garçons superrr antigos, ambiente familiar e comida boa. Cozinha alemã purinha, tradicionalíssima.

Pedimos um misto de salchichas fritas como entrada. E, como prato principal, um Eisbein cozido (joelho de porco), com batatas cozidas e chucrute, que serve duas pessoas (mas 3 comem muitoooo bem). Tudo acompanhado de uma Erdinger bem gelada.

A conta? R$ 125,00 com serviço… Nem tudo que é bom é caro afinal.


Nenhum comentário:

Postar um comentário