quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Viagem de carro pela Europa com bebê - Portugal, Espanha e França. Parte I - O aeroporto.

Gente, ausentei-me do blog por um tempo, em agosto mais propriamente dito, pois estava viajando. Passei 35 dias na Europa. Eu, marido, bebê, babá e a minha avó (com 83 anos). O foco desta viagem não era compras, ou restaurantes, mas sim passear, pois era a primeira vez da minha avó por lá. 

Portugal já era o destino inicial certo, pois temos um ponto de apoio no local, já que o marido é português.  De lá pegaríamos o carro rumo a Paris.

Com bebê de colo e vovó (a bisa dele, no caso), saímos de Guarulhos com destino direto ao PORTO, passando pelas filas prioritárias. Dessa vez carregamos o carrinho conosco até a aeronave, quando a despachamos e não custa ressaltar que a Polícia Federal, no caso de saída de menores, checa tudo nos mínimos detalhes, ainda que com ambos os pais presentes - então deve-se lembrar de levar, além do passaporte, a certidão de nascimento e, se existentes, RG do menor e certidão de casamento dos pais.

Optamos pela cabine executiva, por conta da idade avançada da vovó e de estarmos com o bebê. E foi tudo ótimo. O atendimento do comissário de bordo com o bebê foi espetacular e nos trouxe um kit kids da TAP, que entreteve nosso pequeno por algum tempo extra. Não esqueçam JAMAIS o Ipad ou DVD... (risos)

Saímos com 5 malas grandes e 4 de mão (voltamos com 6 malas grandes). Sobre a mala do bebê, já postei da outra vez. Bom, depois daqueles 8 cocôs, levei 15 fraldas dessa vez:

  • Na mala de mão, foram kit de troca, com trocador, lenços e pomada, 15 fraldas, 2 mudas de roupa quentinhas e confortáveis (mais 2 bodies sobressalente), leite para 6 mamadeiras (mais 3 mamadeiras), 1 xuquinha de água, 2 papinhas nestlé salgadas e 2 doces (PS: A água para a mamadeira é fornecida pelo comissário de bordo - leve as garrafas vazias). O Ipad com bateria total, carregado dos vídeos que meu bebê gosta e aplicativos de quebra-cabeças, pintura, sons, etc, foi essencial. Também levamos carrinhos de brinquedo. Seriam 8 horas e pouco de vôo. No kit remédio levamos dramin e paracetamol.
  • Na mala despachada, levei 1 lata de leite Aptamil 3 e 1 pacote de fraldas, 6 papinhas salgadas e 6 doces (caso meu filho não adaptasse de cara com alguma nova papinha, teria outra pra oferecer), além de todos os remédios (acompanhados da receita médica, pois havia antibióticos) e kit higiene. E muitas, mas muitas roupas (meias, bodies, regatas, camisetas, camisas de manga curta e comprida, shorts, bermudas, calças, pijamas, blusas leves e blusas mais grossas, chinelos, sapatos) - UFA! Afinal, seriam mais de 30 dias e bebê suja roupa, viu...

O vôo correu super bem, e o bebê dormiu bastante (eu que dormi mal com ele no meu assento... Mas são os ossos do ofício de ser mãe). Algumas cias aéreas não permitem sequer a decolagem sem, mas outras exigem o cinto - então não se esqueçam de pedir os cintos para bebê de colo, pois em caso de turbulência seu bebê corre riscos se estiver solto. 

Chegando em Portugal, nada de fila prioritária, então desçam o mais rápido possível do avião, peguem o carrinho na aeronave e se dirijam a passos largos para a imigração.

Passamos alguns dias em Portugal antes do início da viagem de carro, que acabou chegando apenas até Saint-Émilion, pelo cansaço geral. Mas curtimos muito Espanha, País Basco e França.

Nas próximas postagens, vou contar o que fizemos com o bebê em Portugal e como foi a viagem de carro, bem como os hotéis que paramos ao acaso e recomendamos.

Voltamos em vôo diurno, direto de Porto, que transcorreu SUPER bem. O meu filho, depois da canseira das cadeirinhas intermináveis na viagem de carro, ficou bem mais tranqüilo em ambientes fechados. Foi bem menos custoso do que dormir amassada com ele e seus 12 kg... (risos)



Nenhum comentário:

Postar um comentário