quarta-feira, 10 de julho de 2013

NYC com bebê de 1 (um) ano. Parte I - O avião, os taxis, o hotel e a mala.

New York foi sensacional. Realmente adorei a cidade, os passeios, os restaurantes... Os shows!!! Fomos eu e meu marido, bebê e babá para 9 dias de viagem.

Sinceramente, muitos amigos diziam que eu havia feito a escolha errada de destino com um bebê. Mas, ao final, posso dizer: estavam redondamente enganados. E nos divertimos muito!

PS: Todavia, levem em consideração a babá - com a ajuda dela foi que pudemos fazer os passeios adultos, como jantares e shows da Broadway. E isso enriqueceu muito os aspectos positivos da viagem.

Mas a viagem começa pelo trajeto. Então, vamos lá.

1) Vôo DIURNO - Ida. Acordamos 4am... Os dois taxis chegaram às 04:30, como agendado (sempre uso os serviços da COOPERTAX) e chegamos em pouco mais de meia hora ao aeroporto de Guarulhos. Com minha pastinha de "reservas - itinerários - mapas" em mãos, fomos ao check-in da American Airlines. Só havia impresso a reserva (com a indicação de "bilhete emitido"), e na reserva constava o bebê de colo nos nossos assentos de executiva. Mas o bilhete não havia sido emitido (só o do bebê) por algum erro de sistema - Aprendi então que é sempre bom checar o bilhete do bebê online nos sites das cias aéreas. O vôo era 07:45 e tivemos de esperar até as 6:15 pela abertura da loja da American, quando nos cobrou mais $2 mil pela passagem do bebê - mostrei que havia na reserva o valor de $1mil e, depois de muitas idas e vindas, conseguimos a passagem no preço reservado e fomos os últimos a embarcar. QUE SUFOCO!

Não levamos carrinho, pois compramos online um daqueles mais levinhos para entrega no hotel (uso sempre o Amazon.com, pois nunca houve erros com nossas entregas - por enquanto). Quem viaja sem ajuda deve lembrar de levar um canguru, para poder usar as mãos sem descuidar do bebê.

Na mala de mão, foram kit de troca, com lenços e pomada, 10 fraldas, 2 mudas de roupa quentinhas e confortáveis (mais 1 body sobressalente), leite para 6 mamadeiras (mais 2 mamadeiras), 2 papinhas nestlé salgadas e 2 doces (PS: A água para a mamadeira é fornecida pelo comissário de bordo - leve as garrafas vazias). O Ipad com bateria total, carregado dos vídeos que meu bebê gosta e aplicativos de quebra-cabeças, pintura, sons, etc, foi essencial. Também levamos carrinhos de brinquedo. Seriam 8 horas e pouco de vôo.

Meu bebê estava doentinho, então, além do normal dramin e paracetamol, levamos soro nasal e a "bombinha"substituta da inalação caso o peito trancasse lá em cima.

No começo do vôo achei que a viagem seria um fiasco, pois meu filho chorava demais dentro do avião. Só que, na decolagem, ele fez cocô e dormiu. Dúvida - acordava para a troca depois da aeronave estabilizar ou esperava ele acordar. Resolvi esperar e, meu deus, começou a assar. Mas bem de levinho. Só que ele fez 8 cocôs no avião, além da troca no aeroporto, e então só me restava 1 fralda e meu filho estava assando mais e mais (descobrimos, na viagem, que era mais um dentinho apontando e, que, por isso, com a diarréia e alteração do PH do cocô, ele assou). Pra piorar, na metade de viagem, fui dar dramin pra ver se ele dormia e descansava um pouco e ele vomitou... Aiaiai. Do meio pra frente a viagem correu bem, ele dormiu um pouco, quis passear (ia lá atrás ver a babá) e chegamos bem ao destino.

2) AEROPORTOS e TAXIS - No Brasil, tanto para o raio X como para a alfândega, tivemos prioridade de atendimento. Conferiram muito bem os documentos do bebê e dos pais, e ainda pediram a certidão de nascimento (havíamos levado também a de casamento). Checaram tb a minha mala de mão, ao ver o volume das papinhas líquidas - mas liberaram na hora, ao verem o bebê.

Nos EUA não existe prioridade - fila é fila. Mas também todo o ingresso ocorreu com tranquilidade e fizemos tudo em 40 minutos (entre alfândega e malas).

Saímos do aeroporto e fomos para a fila do taxi - iríamos pegar 2, mas a pessoa que chamava os taxis sugeriu um só. Acabamos indo num Toyota van antigo, mas com motorista simpático (depois de puxarmos papo, pq se não falamos algo, eles não falam tb). Meu marido deu $100 pela simpatia, mas o normal seriam os $45, mais de 15 a 20% de gorjeta. Aliás, cabe ressaltar - agora eles já inflacionaram um pouco - na maioria dos lugares que fomos e taxis pagos com cartão, as sugestões de gorjeta são de 18, 20 e 22%.

3) HOTEL - Ficamos no The Plaza. Devo confessar... Não aguentei de vontade ao assistir "Noivas em Fúria" e escolhi o hotel dos cobiçados salões. A localização não poderia ser melhor - na esquina da 5a Avenida com a 59 East. Na quina com o Central Park.

Fiquei numa suíte chamada Edwardian Park View. A vista, ao vivo, era bem melhor e tinha 100m2, que nos acomodaram muito bem (bebê e babá na ante-sala), com lavabo próprio, microondas, geladeira, talheres, copos e louças.

Os pontos ruins foram que a fachada do hotel estava em reforma, o quarto não estava tão bem limpo no primeiro dia e nada havia para bebês (como uma brinquedoteca ou piscina). Mas os concierges são ótimos, o quarto maravilhoso, a comida excelente e receberam todas as minhas 30 e poucas caixas de encomendas sem reclamar ou cobrar extras.



4) MALA do pequeno... O que ajudou muito minha viagem foi que fiz as compras do bebê com antecedência - Comprei roupas de 2 e 3 anos (meu filho tem 1 ano e meio) na Carters, Polo e Tommy (via Macy's a última marca) pela internet. Meias, cuequinhas, toalhas também. Comprei papinha da Gerber (para "Graduates" quando os bebês têm mais de um ano) e fraldas da Huggies (comprei uma jeans linda!). Já comprei alguns brinquedinhos para que ele usasse na viagem (motinhos, carrinhos, etc) e sapatinhos (ele usa 5 agora, mas comprei tb 5 1/2, 6, 6 1/2 e 7). Comprei leite Ninho +1 (NIDO +1 lá) que sei que meu filho toma, pois não encontrei o Aptamil. Além disso, o carrinho (Maclaren Triumph no caso) também ajudou bastante, pois era leve e fechava fácil.

Assim, a mala levou só mais uma lata de leite pequena, um pacote pequeno de fraldas, muitos bodies e poucas roupas e sapatos, e foi uma dentro da outra. Na volta, retornaram 2 malas cheias.

PS: bebê de colo, sem assento (quando vc só compra o direito dele voar no seu colo) só tem direito a uma mala, mas meu marido não usa mais que uma nunca, então...

E, como grande benefício, foi que curtimos a viagem sem a necessidade de compras - farmácia, papinhas, roupas, etc. Só comprei "mimos", o que tornou tudo mais divertido.

5) Voo DIURNOVolta. O vôo decolaria às 11 e pouco e saímos do hotel às 8, com medo do trânsito. O preço do taxi é fechado para o aeroporto (acho que $45). Precisaríamos de 2, devido às bagagens. Acabamos optando por um motorista particular de Suburban. E o melhor está em que pensamos em fazer isso na véspera, pelo concierge do hotel, o que custaria quase $300. Mas deixamos para pedir na hora e o cara que pedia os taxis chamou um por telefone, que nos cobrou $100! Demos mais 20 de caixinha depois. Tudo coube perfeitamente e o motorista era uma simpatia, o carro super confortável.

No aeroporto, para nossa surpresa, descemos do taxi e solicitamos o carregador para as malas - e não é que ele simplesmente já ficou com elas e fez nosso check-in ali, nos entregando as passagens???

Tomamos um café da manhã bem gostoso e com calma, acabamos perdendo a chamada do vôo e entramos no final, com carrinho e tudo (ele desmontado, foi no bagageiro...)

O vôo foi ótimo. Almoçamos e meu bebê comeu minha comida comigo (não quis a papinha). Dormiu por umas 3/4 horas do vôo, brincou as outras e, quando vi, chegamos! Fui precavida com 15 fraldas, mas acabei só usando 1 (PS: comprei em NYC uma pomada chamada Desitin, na versão específica para assaduras, e foi um milagre - demorou uns dias para sair o machucadinho, mas meu filho parecia não sentir mais dor nas trocas e passeios).

Chegamos ao Brasil, corri no free shop para aqueles pedidos de mães e amigas e fomos sair. Quando viu o bebê chorando, o policial da Federal nos mandou seguir sem inspeção.

15 comentários:

  1. Estou ensaiando voltar a NY, adoro aquela cidade. Agora vou esperar a Estela ficar maiorzinha !
    Beijocas
    Li
    http://www.criandofilhospelomundo.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei também. Meu marido achou uma SP ainda mais barulhenta, mas não pôde negar que em termos culturais, de museus e shows, a cidade arrasa! Bjs! Ana.

      Excluir
    2. Amei também. Meu marido achou uma SP ainda mais barulhenta, mas não pôde negar que em termos culturais, de museus e shows, a cidade arrasa! Bjs! Ana.

      Excluir
  2. Preciso conhecer logo NYC. E seu bebê está fofinho nas fotos. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poliana, vc não vai se arrepender. Eu amei a cidade e meu sonho de consumo é voltar na época de natal e patinar no gelo no Central Park ou Rockefeller Center, a la "Esqueceram de Mim"!!! Abs., Ana.

      Excluir
    2. Poliana, vc não vai se arrepender. Eu amei a cidade e meu sonho de consumo é voltar na época de natal e patinar no gelo no Central Park ou Rockefeller Center, a la "Esqueceram de Mim"!!! Abs., Ana.

      Excluir
  3. Adoro NYC, nao levei a Maria Antonia tao pequena, mas tb curtimos bastante... Eu AMo voo diurno!!! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que achei legal da cidade é que têm estrutura para todas as idades, e acho que até que mais velhinhos eles curtem ainda mais!!!

      Excluir
    2. O que achei legal da cidade é que têm estrutura para todas as idades, e acho que até que mais velhinhos eles curtem ainda mais!!!

      Excluir
  4. Adorei tudo detalhadinho! Principalmente em relação às malas. Ajuda muito a quem está querendo se planejar e organizar. NYC deve ser um sonho! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, tentei contar bem detalhada a experiência pois foi meu primeiro post sobre viagem. E minha primeira escapada internacional com filhos. Fiquei tão na dúvida, mas deu tudo certo. E a fralda foi sorte, viu. Calculo uma por hora de vôo hoje em dia, pois logo de cara nessa experiência, vi que podem faltar!rsrsrs

      Excluir
    2. Aline, tentei contar bem detalhada a experiência pois foi meu primeiro post sobre viagem. E minha primeira escapada internacional com filhos. Fiquei tão na dúvida, mas deu tudo certo. E a fralda foi sorte, viu. Calculo uma por hora de vôo hoje em dia, pois logo de cara nessa experiência, vi que podem faltar!rsrsrs

      Excluir
  5. Me identifiquei demais com seu post! Minha neném de oito meses está sofrendo com o nascimento de uma presinha... Altas diarréias, tadinha... Fui pra Ny com minha mãe, filho e nenem com 4 meses e foi demais. Infelizmente não temos babá, então não pude aproveitar os musicais, mas adorei mesmo assim! Minha bebê chorou o voo de ida inteiro, foi desesperador... Essa bombinha que substitui a inalação é ótima! E desitin é vida! Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guaciara, minha bebê de 9 meses já tem 6 dentes e acredita que não teve NA-DA? A não ser um sono mais leve? O outro foi como a sua neném. E dá uma dó, ne? Nessa viagem, ele ficou em carne viva!!! Nunca mais fiquei sem Desitin em casa (mas só uso em caso de assadura mesmo e agora vende no Brasil desde o ano passado) e não viajo sem bombinha e nem Rehidrat (em pó) depois de ver que o vôo pode ser conturbado e não tem como descer! Uma vez, voltando de Denver, meu filho vomitou até a alma e desidratou, ficou molinho, molinho... E tivemos que esperar pousar. Foi um sufoco.

      Excluir
    2. Guaciara, minha bebê de 9 meses já tem 6 dentes e acredita que não teve NA-DA? A não ser um sono mais leve? O outro foi como a sua neném. E dá uma dó, ne? Nessa viagem, ele ficou em carne viva!!! Nunca mais fiquei sem Desitin em casa (mas só uso em caso de assadura mesmo e agora vende no Brasil desde o ano passado) e não viajo sem bombinha e nem Rehidrat (em pó) depois de ver que o vôo pode ser conturbado e não tem como descer! Uma vez, voltando de Denver, meu filho vomitou até a alma e desidratou, ficou molinho, molinho... E tivemos que esperar pousar. Foi um sufoco.

      Excluir